Avaliação na pandemia: como otimizar este processo?

3 de novembro de 2020
avaliação na pandemia

Tempos diferentes também pedem técnicas e práticas diferentes para que o processo de avaliar não perca o seu objetivo.

avaliação na pandemia

Os tempos em que vivemos são bem peculiares em uma série de aspectos, entre eles no cenário da educação, e a avaliação na pandemia é um dos grandes desafios que o “novo normal” tem trazido.

Se este já é um processo que deve ser conduzido com total atenção dentro das salas de aula, com as possibilidades trazidas pelo contato presencial, quanto mais no meio virtual, que tem suas limitações, mas sem dúvidas ajuda a romper as distâncias físicas neste momento.

Além disso, há que se observar também como os estudantes vêm se sentindo nesses tempos desafiadores, o que aumenta ainda mais o impacto trazido pelas avaliações, e a “Pesquisa Juventudes e a Pandemia do Coronavírus” mostra bem isso.

Com 33.688 jovens participantes, de todos os estados do país, eles foram perguntados sobre como tem sido estudar em casa, e o percentual que concordou total ou parcialmente com a afirmação feita foi o seguinte:

  • O lado emocional (medo, ansiedade, estresse, etc.) tem atrapalhado meus estudos: 80%
  • Tenho dificuldade de me organizar para estudar à distância: 82%
  • É difícil tirar dúvidas com professores sem contato presencial: 80%
  • Falta um ambiente tranquilo para estudar em minha casa: 63%
  • O equipamento que uso para estudar (celular, computador, internet) é pouco adequado: 53%
  • Tem faltado tempo para eu conseguir estudar: 49%

Portanto, além de tantas matérias que vemos nas mídias e meios de comunicação e até mesmo da experiência prática no dia a dia, esses números só corroboram para o quão desafiador é estudar em meio à pandemia.

Como os processos avaliativos estão entre as bases do ensino-aprendizagem, é preciso lidar com bastante cuidado com essa questão, pois saber como avaliar alunos na pandemia pode influenciar diretamente na percepção dos alunos e até mesmo em sua continuidade nos estudos.

Pensando nisso, nós separamos algumas dicas valiosas sobre como avaliar na pandemia que impactarão positivamente em sua rotina neste momento e até mesmo depois que ele passar. Continue conosco!

Como avaliar na pandemia e melhorar este processo?

Com uma migração digital positiva e até então bastante comentada, mas que aconteceu repentinamente, muitos professores e docentes se viram inseridos em uma nova realidade, mas é possível lidar com ela de uma maneira mais branda em relação às avaliações. Veja só:

Tenha intenções claras nas avaliações virtuais

Mesmo dentro de um contexto tão diferente, há três intenções da avaliação de aprendizagem que não mudam entre o presencial e o virtual. São elas:

  • Intenção do diagnóstico. Seja qual for o meio pelo qual isso acontece, o objetivo da avaliação diagnóstica é sempre o mesmo: identificar os conteúdos e o conhecimento dos estudantes para que o professor melhore o processo de ensino-aprendizagem.
  • Intenção formativa. Os processos seguidos no aprendizado para ajudar os alunos a alcançarem seus objetivos ou as competências esperadas também devem ser mantidos em todos os meios possíveis.
  • Intenção somativa. Por fim, pensar em como o aluno ficará depois do período escolar, ou seja, de que maneira o que se aprendeu interferirá na prática em sua vida, também independe das aulas serem ministradas em uma sala de aula ou através dos recursos digitais disponíveis.

Logo, ainda que várias mudanças sejam necessárias na avaliação na pandemia, essas intenções devem ser mantidas, o que também demanda cuidados para não fugir dos objetivos principais.

Jogue com as avaliações formativas a seu favor

avaliação na pandemia

Em nosso conteúdo sobre os tipos de avaliação de aprendizagem, comentamos sobre vários deles, e um que queríamos trazer à tona é a avaliação formativa, bastante benéfica no cenário em que vivemos atualmente.

Basicamente, o seu objetivo é identificar se as propostas do professor são alcançadas no processo de ensino-aprendizagem e, a partir do resultado obtido, pode-se orientar e regular a construção do conhecimento.

Como resultado, o aluno fornece subsídios que mostram o aprendizado obtido, enquanto o professor tem uma oportunidade de detectar a adequação do ensino ao aprendizado e, assim, repassar um feedback acertado ao estudante.

No conteúdo “The Research Base for Formative Assessment”, Mary Ryerse e Susan Brookhart comentam sobre vários estudos que endossam a avaliação formativa, os quais mostram que ela é capaz de:

  • Proporcionar ganhos acadêmicos;
  • Aumentar a equidade nos resultados obtidos pelos alunos;
  • Melhorar a habilidade de aprendizagem dos alunos.

Portanto, se essa já era uma ferramenta tão poderosa, ela cresce ainda mais no contexto de avaliação na pandemia e merece ser utilizada no dia a dia dos professores para que todos sejam beneficiados.

Em suma, pense em onde os alunos deveriam estar, onde eles estão agora e o que deve ser feito para preencher as lacunas existentes. Com isso, você saberá muito melhor como avaliar na pandemia.

Planeje as aulas para o ambiente virtual, não presencial

Em nosso conteúdo sobre ensino online e remoto, nós comentamos que o ensino online é planejado especialmente para este meio, enquanto o ensino remoto é uma adaptação das aulas presenciais para o ambiente virtual, e é preciso tomar cuidado para não cair no segundo cenário.

De fato, é bem difícil evitar essa situação, muito por conta da necessidade de “trocar os pneus do carro com ele andando”, ou seja, se adaptar a uma nova realidade já estando inserido nela, mas é importante reforçar esse cuidado.

Inclusive, mesmo quando voltarmos ao “velho normal”, ou melhor, a um “normal adaptado”, o cenário do ensino híbrido já estará bem pavimentado, o que tende a crescer cada vez mais com o passar do tempo.

Tendo isso em vista, prepare suas aulas pensando que elas serão aplicadas em ambiente virtual (até quando isso se aplicar), não apenas como uma adaptação do presencial para o ensino com uma câmera à sua frente.

É difícil colocar isso em prática, especialmente no começo. Porém, ao mesmo tempo, você terá um ponto de vista diferente sobre as aulas e, assim, poderá proporcionar experiências ainda mais interessantes a todos os envolvidos.

Por consequência, você conseguirá planejar avaliações online mais eficientes para este meio de comunicação, um conhecimento que certamente será muito valioso a curto, médio e longo prazo.

Use ferramentas digitais para aumentar o engajamento e também para avaliar

Dentro do contexto dos ambientes virtuais, é fundamental pensar na possibilidade de usar ferramentas digitais no ensino online, como vídeos, pesquisas, conteúdos interativos, formulários e afins.

Tudo isso tende a aumentar o engajamento dos alunos com as disciplinas e com o próprio ensino, algo indispensável em tempos de distanciamento social e que pode mantê-los firmes no propósito de se manter estudando.

Na pesquisa de que comentamos anteriormente, 28% dos alunos entrevistados já pensaram em não voltar para as aulas, o que é um número bastante preocupante, embora compreensível, dadas todas as dificuldades que permeiam a atual realidade.

Logo, tudo o que puder ser utilizado para aumentar o engajamento e a interação dos alunos, melhor, e as ferramentas digitais são super importantes neste sentido, além de também trazerem oportunidades bem bacanas de avaliação na pandemia.

Leia também: Retenção de alunos: entenda o papel do professor para evitar a evasão acadêmica

Exemplos práticos de como avaliar alunos na pandemia com as avaliações formativas

avaliação na pandemia

Se você ainda tem algumas dúvidas sobre como avaliar na pandemia, especialmente dentro do contexto das avaliações formativas, nós separamos alguns exemplos práticos e acionáveis para colocar em prática o quanto antes. Confira:

  • Observar, ouvir e “ticar”. Durante as aulas online, observe a interação dos alunos com o conteúdo proposto; ouça o seu engajamento por meio de perguntas e/ou comentários e “tique” seus nomes em uma lista. Assim, você saberá quem interagiu e poderá avaliá-los também dessa forma.
  • Resumos sucintos da matéria. Ao final de cada aula, peça para os alunos fazerem um breve resumo, de no máximo duas linhas, sobre o principal do que foi ensinado. Isso permite ao professor analisar como está acontecendo o processo de ensino-aprendizagem na prática.
  • Problemas com resolução errada. Formule problemas sobre o tema debatido na aula e traga uma resolução incorreta. Então, peça aos alunos que indiquem porque aquela resposta está errada, bem como qual seria a forma certa de resolver. Esse é um bom treinamento prático do conteúdo.
  • Problemas com várias resoluções. Similar à sugestão anterior, mas com algumas mudanças. Separe várias resoluções para um problema, entre elas uma correta, e peça para os alunos mostrarem porque aquela está certa, o que também treina seus conhecimentos adquiridos na prática.
  • Reflexões sobre o que se aprendeu. Outra alternativa interessante é sugerir reflexões, como “eu pensava ______, mas agora eu sei que ______”, ou “uma coisa que eu aprendi foi que ______”, outro valioso processo no ensino-aprendizagem.

Confira também: Migração digital: o que você ainda não pensou sobre educação em meio à pandemia, mas pode fazer no 2º semestre

Avaliação na pandemia: um aprendizado valioso e duradouro

É claro que o nosso desejo é que a pandemia passe de uma vez por todas. Porém, tudo o que aprendemos com ela será valioso para o presente e o futuro, em que o ensino híbrido se desenha como algo bem poderoso e promissor.

Realmente, não é fácil saber como avaliar alunos na pandemia, tanto por todo o contexto de inserção de um ensino remoto às pressas quanto pelas consequências sociais, econômicas, emocionais e psicológicas que acompanham este momento, mas é importante pensar no melhor a se fazer.

Você, professor, deve ter se deparado com essa dificuldade, em maior ou menor proporção de acordo com o contato que você e os alunos já tinham tido com as aulas online, mas seja como for, nunca é demais ter novas alternativas para avaliar seu desempenho.

Inclusive, todo este cenário desenha uma digitalização cada vez mais intensa nos processos de ensino-aprendizagem, e as soluções da Prova Fácil são grandes aliadas dos professores, docentes e instituições de ensino Brasil afora.

Planejadas com muito cuidado e por profissionais que vivem a educação na pele, seu uso tende a ser muito benéfico a todos os envolvidos, dos professores aos gestores da instituição e aos alunos, e o investimento tem tudo para trazer um custo-benefício excelente.
Ao aplicar nossas dicas de avaliação na pandemia em conjunto com as soluções da Prova Fácil, avaliar será muito mais fácil, prático e assertivo. Aproveite a oportunidade e comprove tudo isso na prática!